quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

As luzes e as cores do nascer de um novo ano na Península, um bairro único, bucólico e cativante


A energia daquele foguetório tem incomparável poder vital e o mais envolvente brilho orgástico

 Essa madrugada senti, como nunca, a enorme diferença de morar num bairro bucólico, verdadeiramente aconchegante, resgatando na sua modernidade o orgasmo daquelas campinas onde vivi minha infância inesquecível. E cativando-nos num amor arrebatador.
CLIQUE NA FOTO E VEJA O ESPETÁCULO DE
LUZES E  CORES NO NASCER DE 2013 NA PENÍNSULA

A origem dos fogos de artifício não tem uma data certa. Há várias especulações de que os foguetes pirotécnicos tenham tido seu início na Ásia: a pólvora – que é um dos componentes dos fogos de artifício, bombas e outros – foi inventada na China, há aproximadamente 2000 anos. Na época da dinastia Han, os alquimistas, por acidente, descobriram a pólvora. Hoje, ela faz parte dos foguetes pirotécnicos, bem como armas de fogo, canhões, mísseis e outros materiais bélicos.

Lembrei dessa informação nas primeiras horas deste 2013, quando da minha varanda, na Av. dos Flamboyants, deixei-me extasiar pelo espetáculo de fogos que cobriu nossos céus de cores e luzes, algo que não esperava, que não sabia quem estava fazendo, porque não recebera nenhum comunicado a respeito.

Eu, a esposa e filhos, que havíamos optado por uma ceia frugal na solidão da nossa célula familiar, sentimos uma emoção diferente, não só pela surpresa e pela beleza dos fogos, mas também por uma energia própria, algo realmente diferente, que só poderia acontecer nesse mundo ornado de verde por todos os lados, onde os espaços a  céu aberto reinam e dão o tom de uma qualidade de vida inimaginável para uma grande metrópole.

Só me ocorreu pegar uma maquininha filmadora para tomar algumas imagens do espetáculo, que durou 10 minutos, para guardar como a mais cândida lembrança do nosso primeiro réveillon na Península.

Com essas imagens uma reflexão: apesar de tantos ajustes por serem feitos, de alguns erros e algumas deficiências, não há lugar melhor para morar nesta cidade inquieta, fogosa e fervorosa. Em cujas veias pulsam 24 horas ao dia os impulsos lúdicos e os alentos mágicos de quem vive intensamente a vida com prazer e alegria, mesmo sob pressão de uma realidade muitas vezes hostil.

Ficou a sensação, sob a luz e as corres dos fogos que subiam aos céus a poucos metros de nossa varanda, de que estávamos ganhando uma carga de energia de maior poder vital, incomparavelmente mais rica do que todos os macro-eventos da nossa cidade, e de todas as urbes desse mundo enigmático, que vivem nas gangorras e nas incertezas.

Aquela pólvora colorida não se espargia para qualquer um. Era só para quem teve a coragem e a determinação de capturar as luzes das estrelas infensas às angústias de selvas de pedras, esses amontoados urbanos que torturam cérebros nervosos e confinam o nosso habitar a meros dormitórios e saletas cada vez mais acanhados.

Essa madrugada senti, como nunca, a enorme diferença de morar num bairro bucólico, verdadeiramente aconchegante, resgatando na sua modernidade o orgasmo daquelas campinas onde vivi minha infância inesquecível.  E cativando-nos num amor arrebatador.

Por isso, neste momento, senti que pela primeira vez enfim desejei um feliz ano novo a mim mesmo e aos meus entes queridos.

3 comentários:

  1. Luiza Fontenele Aguiar2 de janeiro de 2013 07:18

    Eu também vi a queima de fogos e achei muito bonita. Gostei também muito do vídeo no you tube. Realmente, desde quando vim morar na Península senti uma grande diferença. Só reclamo que não temos ônibus para o Centro, onde trabalho, e não há comércio na Península. Diziam antigamente que haveria um supermercado onde tem o O2, mas não deu em nada. Espero que esse shopping que vão inaugurar tenha o que a gente precisa na hora, na emergência.

    ResponderExcluir
  2. Concordo 100% com a Luiza. Adoro morar aqui. Sofro bastante, no entanto, pela ausência de fretamento para ao centro. Acho que o Shopping (14/março)vai nos trazer um alento com relação à falta de comercio.Feliz 2013, vizinhos da península.

    ResponderExcluir

Este espaço é livre para seu comentário. Saiba usá-lo evitando palavras agressivas e ataques pessoais ou inconvenientes.

Web Analytics