terça-feira, 14 de maio de 2013

Enfim, o pão nosso de cada dia

Deli abre nesta sexta-feira programando  uma fornada a cada 20 minutos, mesmo usando um forno elétrico, por  enquanto

 "Habemus" Pão

A Deli promete um pão de dar água na boca nesta sexta-feira. Veremos


Nunca o pão foi tão importante e nunca foi tão esperado como aqui entre nós. Também pudera: a Península já celebra dez velinhas, já tem uma população superior a 59% dos 5.565 municípios brasileiros e pode se orgulhar do verde exuberante que emoldura suas modernas edificações, mas pão, que é bom, quentinho, crocante, com aquele sabor que faz bem a todos, indistintamente, só a partir desta sexta-feira, 17 de maio, dia de São Pascoal Bailão, o irmão leigo franciscano espanhol que fora cozinheiro de profissão e se dava muito bem quando metia a mão na massa.

A Península Deli, âncora do nosso shopping, decidiu ir à luta, mesmo sem o esperado gás de rua que a CEG poderá instalar a qualquer momento. Utilizando um forno elétrico e  lenha para as pizzas, a padaria do bairro garante que haverá pão para todos a partir das 6 horas da manhã, com fornadas de 200 unidades a cada 20 minutos.

Como na Deli o pão era só o que faltava, junto começa a funcionar o conjunto de ofertas, que inclui mercearia, hortifruti, a adega e uma variedade de produtos que ocuparão um total de 120 empregados, dos quais 22 entre padeiros e confeiteiros. Estes terão uma meta de produzir cerca de 200 derivados do trigo. O pão tradicional  será vendido R$ 13,90 o quilo, o que equivale a R$ 0,69 por unidade de 50 gramas.

A alternativa do forno elétrico poderá ser descartada até sexta-feira, caso a CEG faça a ligação do gás, como é possível.  Se isso acontecer, o restaurante poderá também entrar em funcionamento, com refeições para almoço em sistema de bufê a quilo.

O importante para os moradores é que a Deli desencante. A avaliação generalizada é de que com ela funcionando haverá um movimento muito maior em todo o Peninsula Open Mall.

Segundo Rodolfo Portugal, um dos sócios da Deli, todo o seu comércio foi dimensionado para atender inicialmente  a duas mil pessoas por dia. Mas há condições de oferecer um atendimento com conforto a um número bem maior.

Além da padaria, o hortifruti também promete rivalizar em matéria de “atrações”.  Confiado ao Grupo Benasi, o maior distribuidor de frutas do país, ele terá espaços também para os orgânicos, inclusive os produzidos em Teresópolis na Fazenda Vale das Palmeiras, do ator Marcos Palmeira,  e pela Korin, de São Paulo.

A mercearia não vai ficar atrás. Há centenas de itens já dispostos em suas prateleiras e a pretensão do grupo é oferecer uma alternativa cuja proximidade seja sustentada principalmente pela variedade e pela qualidade. “Não teremos preços de supermercado, mas vai compensar comprar aqui” – diz Rodolfo.

Fica a expectativa dos moradores. A Deli vai preencher um grande vazio por aqui e temos a esperança de que não decepcione em nenhum aspecto. É ver para crer. 

8 comentários:

  1. Exijo o meu seven-boys fresquinho !

    ResponderExcluir
  2. Fátima Cristina14 de maio de 2013 23:42

    Será que a gente vai ter que ficar muito tempo na fila? Pão fresco e gostoso, sim, mas sem estresse.

    ResponderExcluir
  3. Eu particularmente acredito que deve ter um delivery rapido para nos atender...espero!!!

    ResponderExcluir
  4. ja soube que tera delivery sim,inclusive varios tipos de paes,o gerente eh mt simpatico e me contou tudo!rs

    ResponderExcluir
  5. Será que poderemos comprar de caderno no mercadinho ? rsrs

    ResponderExcluir

Este espaço é livre para seu comentário. Saiba usá-lo evitando palavras agressivas e ataques pessoais ou inconvenientes.

Web Analytics