quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Caos com direito a arrastão

Eram sete da noite quando vários carros foram atacados nesta quarta por dois motoqueiros em frente à Tok Stok

O arrastão aconteceu próximo ao Tok Stok, às 7 da noite
Em mais uma noite de trânsito engarrafado na mal iluminada Rua João Cabral de Melo Neto aconteceu o que só a polícia e a empresa de segurança contratada pela Assape não previam: um assalto, ou melhor, um verdadeiro arrastão praticado por dois bandidos em uma moto, provavelmente os mesmos que agem na Rua Nelson Mufarrej, aquela que a gente pega quando atravessa a Ayrton Senna e onde fica a falecida “Terra Encantada”. 

Deve ter vitimado vários motoristas ali pelas sete da noite, mas foi uma moradora do Paradiso quem me repassou a narrativa do assalto à sua filha, bem próximo ao lugar onde ficava a viatura da PM, que não estava por perto na hora do arrastão.

“Minha filha acabou de ser assaltada no entorno do nosso condomínio no meio deste engarrafamento devido a um problema em Jacarepaguá.

Aliás, foi um arrastão, pois várias pessoas foram assaltadas por 2 motociclistas. Estavam escolhendo quem seria assaltado.

Isto aconteceu às 19 horas de hoje na altura do Tok Stok, bem em frente ao acesso para a entrada social da Península, próximo ao sinal, onde habitualmente ficava a patrulha da PM.  Hoje naquela momento não estava.

Quando cheguei em casa às 21 horas já vi a patrulha da PM.
Infelizmente viemos morar em um local que nos foi vendido como seguro e na verdade esta não é a realidade pois o entorno está extremamente perigoso”.
Não tenho o menor prazer em dar esse tipo de notícia.  Por acaso,  um pouco antes desse horário, minha mulher também estava presa no engarrafamento: ia apenas levar a nora para a aula na Faculdade de Fisioterapia da Estácio.

Ela levou duas horas nesse percurso e acabou deixando a moça no Barra Shopping. O resto, ela teve que fazer a pé, atravessando a Av. das Américas até o Parque das Rosas, onde fica a unidade em que faz algumas aulas.

Poderia repetir as mesmas observações que tenho feito sobre a deficiência na cobertura de segurança aos moradores que ousam passar por essa área já muito visada por bandidos de motos.

Mas já estou cansado. A primeira reação das pessoas próximas à Assape é a de que eu só dou notícias negativas.  Assim, alguns têm procurado desqualificar nosso blog.

Mas não precisa ser nenhum especialista para saber que é através da informação que  vamos dando dicas aos nossos leitores, até por que, como você deve ter percebido, a Polícia Militar voltou a relaxar na cobertura dos acessos e, mesmo presente, o que a gente vê é uma dupla sentada dentro do carro, quando poderia dar uma caminhadinha principalmente numa hora de engarrafamento, cada vez mais frequente no trecho entre o Via Parque e o Barra Shopping.

Há um problema que faz parte da cultura dos brasileiros: escapando com vida, perdendo apenas objetos pessoais, mesmo de valor, as pessoas não costumam ir  à polícia fazer o registro. E a seleção dos locais para o policiamento é feita em função desses registros.

Fogo na mata cada vez mais frequente

No dia 6 de julho, recebi e-mail de um vizinho, no qual ele escrevia:

“Como morador do condomínio e preocupado com questões ambientais, não sei se observou que está acontecendo uma grande queimada na bela área vizinha ao nosso condomínio.

Provavelmente provocada por algum ocupante ilegal.

Por acaso você saberia informar se aquela área toda é protegida ambientalmente por algum decreto ou algo semelhante?

E nesse caso qual seria a instituição mais adequada para receber essa denúncia e evitar esses abusos?”

Pelo seu relato, isso acontecia com frequência. Sugeri que ficasse atento e tentasse fazer alguma foto da queimada.

Neste domingo, o vizinho voltou a me contatar, enviando uma foto da fumaceira, com o seguinte comentário:

“Caro Pedro, algum tempo atrás tivemos um incêndio na mata que acompanha o lago e que se repete hoje.

Envio uma foto desse crime, claramente a mando de ocupantes ilegais.

Será que existe alguma forma de sensibilizar alguma instituição que possa fiscalizar e agir nesse caso, antes que seja tarde?”

Fica o registro. Alguém pode nos ajudar a evitar essas queimadas?

9 comentários:

  1. No momento não tenho carro, mas bem poderia estar no local dentro de um taxi. Não acho que a responsabilidade seja apenas da Assape, mas principalmente da prefeitura, que não consegue cuidar da segurança e bem estar da populacão da cidade. Lembro ainda que em ambas as ruas faltam sinais para pedestres: o da João Cabral de Melo Neto é longe da balsa e não funciona, e na Nelson Muffarej, para quem chega no ônibus da Península não há sinal, e todos devem atravessar na sorte... que Deus queira funcione!

    ResponderExcluir
  2. Fico muito triste com esse relato e já tinha percebido a saída da viatura no cruzamento em frente à Tok Stok. Precisa mais um morrer para eles instalarem uma cabine fixa. Só mais um? Talvez mais 3. É de se lamentar...moeadora do style.

    ResponderExcluir
  3. A Assape nada tem a ver com isso. Daqui a pouco vão querer que a Assape também seja responsável pela saúde e educação. Mas por outro lado é mais um motivo para implementarem o mais rápido possível o novo sistema de transporte que foi apresentado recentemente, por sinal muito bom o trabalho, parabéns, só que está demorando muito. Pra que fazer pesquisa, votação? Todos sabemos que a imensa maioria quer mudança, ainda mais agora com o nosso entorno perigoso do jeito que está.

    ResponderExcluir
  4. Toda notícia tem que ser divulgada amplamente mesmo. Infelizmente pode parecer página policial, mas a culpa é dos acontecimentos e não da existência do blog. Quem fala mal de um veículo de informação no mínimo é um ditador!

    ResponderExcluir
  5. Porfírio, continue com seu trabalho sério e informativo. As pessoas precisam saber que a Península não é a "ilha da fantasia" que os anunciantes "vendem" ao futuros moradores. O transporte é ineficiente, a segurança deixa muito a desejar, o dinheiro arrecadado é mal empregado, os moradores reclamam e não há satisfação por parte da ASSAPE. Desrespeito total. Continue sendo esse jornalista serio e corajoso que você é!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Replico aqui o que enviei ontem à noite ao jornal O Globo. Creio que tem tudo a ver com o nosso caos de cada dia.
    "Nestes últimos tempos, independente da hora do dia ou da noite, atravessar a Barra da Tijuca, por exemplo, tem sido um verdadeiro suplício para milhares de pessoas. Tive, por algum tempo, o privilégio de morar e trabalhar no mesmo bairro - a Barra. Digo "tive" não por ter me mudado, mas porque a Barra mudou, virou o caos: hoje posso levar de uma hora e meia até duas horas para percorrer um trecho de 10 Km que eu fazia em 15 min. De carro, claro, pois à pé ou de bicicleta eu seria bem mais rápido. Fico imaginando quem sai do centro da cidade para o Recreio, por exemplo. E o pior é que na maioria das vezes ninguém fica sabendo porque tudo parou. E quando você pensa que o mistério será desvendado eis que entra a Hora do Brasil, hedionda herança da ditadura, pouco a pouco substituída pela volta do reinado, só que com muitos reis com muitos poderes. Mas a desculpa para o caos no trânsito é muito fácil de imaginar: "estamos em obras para melhor atendê-los". O nosso problema é que enquanto países civilizados são administrados por "administradores públicos", formados para tal, que definem as prioridades a longo prazo e as executam com planejamento, nós tupiniquins somos administrados pelo político simpático da hora, cercado de acessores e paparicos, que no fundo só pensa na sua reeleição. Tanto é que hoje em dia virou raridade ver um político preocupado com inauguraração de obra. O que lhes interessa hoje é lançar obras de promessas, e de preferência na última hora, para evitar as complicadas licitações, e levá-las a toque de caixa, no caso de existir um prazo, como na preparação para a Copa do Mundo ou as Olimpíadas de 2016, por exemplo. E nós, tolinhos, aplaudimos emocionados o empenho destes verdadeiros heróis, comprometidos em promover o nosso país para o exterior, trazer o progresso (e o circo) mesmo cientes do enorme "trabalho" que terão que enfrentar com tantas obras a tocar.
    E enquanto isso vamos vivendo nossas curtas vidas, conformados com um sistema de metrô precário, fazendo vista grossa para a caixa preta dos ônibus urbanos, um "favor" prestado à população. Tudo culpa dos interesses próprios e das idéias mirabolantes de cada "político gestor" do momento, que vão perenizando e amplificando o nosso caos de cada dia. Enfermos empilhados (com sorte) em nossos precários hospitais públicos ou, morrendo nas filas de espera, os mais desafortunados. Enquanto logo ali adiante jaz uma faraônica cidade das artes (ex cidade da música) ou talvez melhor ainda, "A catedral de Cesar", símbolo do egocentrismo lunático. Ou então, se olharmos para o futuro, outro exemplo de total falta de compromisso com a população, o famoso trem "bala-perdida", tirado do "chapéu" com um pauzinho (na falta de um dedinho) pelo nosso "gulu". Temos que parar de acreditar em duendes, principalmente os da orelhinha torta, ou em Papai Noel.

    Enviado via iPad por Fernando Bello

    ResponderExcluir
  7. Com relação ao fogo, certamente trata-se de uma área de reserva e a denúncia deveria ser encaminhada à SAE, Secretaria de Ambiente do Estado, pedindo averiguação.

    ResponderExcluir

Este espaço é livre para seu comentário. Saiba usá-lo evitando palavras agressivas e ataques pessoais ou inconvenientes.

Web Analytics