segunda-feira, 9 de junho de 2014

A água que pode faltar

 O sufoco que atinge os paulistas com a crise no seu abastecimento de água põe as nossas barbas de molho


Na última intervenção "cirúrgica" a que fui submetido, dia 19 de maio, deparei-me no banheiro da recepção da Casa de Saúde São José com um oportuno aviso sobre a importância da água. Eu não tinha ideia do peso das descargas no consumo de água. Sabia que no México, onde há grande escassez, as descargas são "programadas" para gastarem o mínimo possível. Mas por aqui não sabia de nada.

Fotografei e agora estou postando para sua reflexão: aqui na Península a engenharia de nossos apartamentos parece desconhecer os malefícios do desperdício de água. Eu, que moro no segundo andar, cada vez que abro a torneira me deparo como uma enxurrada.

Para o seu conhecimento, eis algumas informações e sugestões de quem se dedica ao assunto:

No Brasil, onde estão 12% da água doce mundial, menos da metade dos 5 565 municípios tem abastecimento considerado satisfatório. Para não arriscar ficar sem água nos próximos três anos, a outra metade precisa investir na ampliação dos sistemas de captação ou encontrar novos mananciais. "Há um descompasso entre o crescimento urbano, com a expansão das favelas e dos bairros de periferia, e a velocidade com que se constrói infraestrutura de tratamento de água e saneamento", afirma Glauco Kimura de Freitas, coordenador do programa de água doce da ONG WWF Brasil. Se a questão do abastecimento de água se resumisse à quantidade, já seria gravíssima. Mas somam-se as dificuldades relacionadas à qualidade.

Estudos e pesquisas do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) apontam para o desperdício mundial anual de aproximadamente 1.500 km³ de água. “Para que não falte no futuro, a água deve ser consumida com consciência”, alerta Gilmar Altamiro, fundador da ONG Universidade da Água.
Sendo assim, que tal reavaliar seus hábitos?

— Mantenha a válvula de descarga do vaso sanitário sempre regulada.

— Durante o banho, desligue a ducha enquanto se ensaboa.

— Ao escovar os dentes, use um copo com água para enxaguar a boca.

— Antes de lavar a louça, panelas e talheres, remova bem os restos de comida de todas as peças. Primeiro, ensaboe tudo - mantendo a torneira fechada, claro! -, para, depois, enxaguar de uma só vez.

— Só ligue a máquina de lavar roupas quando estiver cheia. Uma lavadora com capacidade para cinco quilos, em operação completa, gasta, em média, 135 litros de água.


— Evite lavar calçadas, quintais e carros com frequência. Se for inevitável, use balde e vassoura no lugar de mangueira ou vassoura hidráulica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre para seu comentário. Saiba usá-lo evitando palavras agressivas e ataques pessoais ou inconvenientes.

Web Analytics